Portal do Clima
AdaPT

Cientistas alertam que alterações climáticas são problema maior do que pensavamos

AC

“Em 1988, quando era director do Institute for Space Studies da NASA, James Hansen foi ao congresso norte-americano explicar o que eram as alterações climáticas. Nessa época, o planeta passava pelos seus cinco meses mais quentes desde que as temperaturas eram medidas, 130 anos antes. “É tempo de para de falar incessantemente e dizer que as provas são bastante fortes: o aquecimento global está cá”, referiu.

Vinte e oito anos depois, sabemos muito mais sobre a ciência das alterações climáticas, alerta o Grist. E James Hansen continua preocupado com o facto de muitos de nós não o estarmos. Preocupado, acrescente-se.

No Verão passado, Hansen foi co-autor de um estudo que sugere que o nível médio do mar pode subir três metros nos próximos 50 anos, o suficiente para tirar do mapa até as mais bem preparadas cidades costeiras. O estudo teve em conta provas arqueológicas do passado, observações actuais e modelos climáticos futuristas e chegou a uma conclusão assustadora: até um pequeno aquecimento global pode ter várias consequências. E quase  instantaneamente.

A versão final do estudo foi finalmente publicada por estes dias, no jornal Atmospheric Chemistry and Physics, e as conclusões são chocantes. Os autores destacam várias ameaças que, acreditam, pode acontecer já este século: aumento do nível médio do mar em vários metros, suspensão das maiores correntes circulatórias oceânicas e tempestades cada vez mais intensas.

Hansen e os seus colegas diz que estas consequências podem chegar mais rápido do que julgamos – antes mesmo, na verdade, do que os modelos climáticos do IPCC – o Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas – irão prever.

Aumento do nível médio do ar

Hoje, as calotas polares Antárctida e Gronelândia contribuem para menos de um milímetro, por ano, para o aumento do nível dos mares. Cada uma contêm gelo, porém, para levar ao aumento do nível dos oceanos entre seis e 60 metros, respectivamente.

O estudo sugere que, uma vez que a perda de gelo está a aumentar por ano, devermos pensar neste dado como uma curva exponencial e não uma linha contínua. Assim, este número poderá duplicar por ano, ainda que seja completamente impossível previr a que intensidade ela irá acontecer.

Quando este facto for acrescentado à mudança das correntes oceânicas e tempestades cada vez mais violências, o que significa para o planeta e as pessoas que nele vivem? “Algo de muito mau, amigos”, conclui o Grist. “Poderá ser algo de realmente, verdadeiramente, muito mau; ou apenas algo de mau. De qualquer forma, diz Hansen, sabemos que é tempo de fazermos alguma coisa sobre isso”, revela o site. É preciso fazermos algo urgente, nas palavras de James Hansen.”

Notícia publicada em: http://greensavers.sapo.pt

Foto: Craig ONeal / Creative Commons

 

Posted on 12 Abril, 2016 in Notícias Alterações Climáticas

Share the Story

About the Author

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to Top